Eflúvio Telógeno

Os cabelos apresentam um ciclo biológico de crescimento, que pode ser simplificado em dois períodos principais: a fase anágena (quando os fios crescem) e a fase telógena (que é uma fase de repouso seguida por queda do fio). Em média, 80 a 90% dos fios encontra-se na fase anágena, enquanto apenas 10 a 20% dos fios apresenta-se na fase telógena. Levando em consideração o número total de fios no couro cabeludo, a porcentagem destes fios que se encontra na fase telógena, e o tempo que cada fio demora para cair depois que entra na fase telógena, concluímos que, em média, caem em torno de até 100 fios de cabelos por dia.

Queda de cabelos é uma queixa comum em consultório e uma de suas causas é o eflúvio telógeno. Nesta situação, há uma alteração no ciclo biológico dos cabelos, havendo um aumento da porcentagem dos fios telógenos e, consequentemente, maior perda de fios. Essa alteração pode ocorrer em diversas situações, como estresse psíquico, período após o parto, após cirurgias, após dietas restritivas, perda de peso, anemia, alterações hormonais, interrupção de anticoncepcionais, uso de determinados medicamentos, carência de vitaminas, dentre outras situações que podem alterar o equilíbrio do organismo.

O TRICOGRAMA digital é o exame que analisa o crescimento dos fios. No primeiro dia do exame, uma área de 1cm2 do couro cabeludo é raspada. Depois de 2 dias, o paciente retorna para avaliar o crescimento dos fios. Os fios que se encontram na fase telógena (fase de repouso) não crescem, permanecendo do mesmo tamanho em que estavam no dia em que foram raspados. Por outro lado, os fios que se encontram na fase anágena (fase de crescimento) crescem, sendo facilmente identificados. Um software (Trichoscan®) calcula a porcentagem dos fios em cada fase (anágena ou telógena), permitindo diagnosticar alterações no ciclo biológico dos cabelos. Uma porcentagem maior do que 20% de cabelos telógenos sugere que o paciente esteja apresentando um eflúvio telógeno.

O principal tratamento do eflúvio telógeno é identificar sua causa e tratá-la. Em 30% dos casos não se identifica uma causa aparente e alguns autores acreditam que nestes indivíduos o eflúvio se manifeste como uma doença auto-imune.

Quando o fator desencadeante do eflúvio não é identificado nem tratado, o quadro pode cronificar, sendo denominado eflúvio telógeno crônico. Nesses casos, pode ocorrer afinamento global dos cabelos, acometendo não só a região frontal, mas também a região occipital e as regiões temporais. O paciente costuma observar, além da redução global do volume dos cabelos, rarefação nas regiões temporais (entradas).

Diante da queixa de queda de cabelos, é importante consultar um médico dermatologista, que poderá avaliar não só o couro cabeludo, mas terá conhecimento para identificar doenças subjacentes que possam estar desencadeando o processo de queda.